Public | Automated Build

Last pushed: 2 years ago
Short Description
Wordpress running on Debian 8 - Jessie with MSQL, Apache and SSH
Full Description

jessie-wordpress

Imagem Docker para Stack LAMP com Wordpress usando Debian Jessie (version 8),
Apache WebServer, o MySQL 5.6, o PHP versão 5.6 (A versão 7 ainda
não foi liberada)

Este projeto foi testado com a versão 1.8.2 do Docker

Usado no curso http://joao-parana.com.br/blog/curso-docker/ criado para a Escola Linux.

Veja no Diagrama abaixo o contêiner, o Volume, e as portas do Apache e do SSH

O Wordpress depende da Stack LAMP mas também possui uma estrutura que mistura
configuração, código PHP do núcleo, traduções, temas e plugins. Isto dificulta
o uso de um Workflow para Desenvolvimento, Teste, Homologação e Produção.

A figura abaixo ilustra estas dependências

A solução proposta aqui é usar volumes e links simbólicos para facilitar
o trabalho. Obviamente poderiamos usar outra abordagem. Esta foi uma das
escolhas possíveis.

Veja abaixo a proposta de estrutura de diretório para nosso projeto

Instalação e Configuração

WP-CLI

A CLI (Command Line Interface) wp permite realizar várias tarefas no Wordpress
de forma programática.

Por exemplo, podemos fazer:

  • o download do Wordpress (comando core download)
  • a edição do wp-config.php (comando core config)
  • a configuração inicial do Wordpress (comando core install)

O comando core download não recebe nenhum parâmetro e baixa a ultima versão
estável do Wordpress.

O comando core config recebe como parâmetros dbname, dbuser, dbpass e dbhost.
O dbhost deve ser especificado como 127.0.0.1 em vez de localhost que é o padrão.

O comando core install recebe como parâmetros os dados do site:
url, title, admin_user, admin_password e admin_email.

Em certas circunstâncias necessitamos editar algum parâmetro no wp-config.php.

Neste caso podemos criar uma função na nossa shell com o seguinte código:

set_config() {
  key="$1"
  value="$2"
  php_escaped_value="$(php -r 'var_export($argv[1]);' "$value")"
  sed_escaped_value="$(echo "$php_escaped_value" | sed 's/[\/&]/\\&/g')"
  sed -ri "s/((['\"])$key\2\s*,\s*)(['\"]).*\3/\1$sed_escaped_value/" wp-config.php
}

Isto permite invocá-la, por exemplo, assim:

set_config 'DB_HOST' "127.0.0.1"

PHP

O arquivo /usr/local/php/conf.d/uploads.ini poderia ter um conteúdo
como este abaixo para permitir uploads de arquivos de até 256 Megabytes.

file_uploads = On
memory_limit = 256M
upload_max_filesize = 256M
post_max_size = 300M
max_execution_time = 600

Usando o Docker

Criando a imagem

docker build -t HUB-USER-NAME/jessie-wordpress  .

Substitua o token HUB-USER-NAME pelo seu login em http://hub.docker.com

Usaremos aqui o nome web_wp para o Contêiner.
Caso exista algum conteiner com o mesmo nome rodando,
podemos pará-lo assim:

docker stop web_wp

Pode demorar alguns segundos para parar e isto é normal.

Em seguida podemos removê-lo

docker rm web_wp

ATENÇÃO: Lembre-se que ao remover um contêiner você destroi o seu estado
e isso inclui qualquer dado persistido em seu filesystem, então tome muito
cuidado ao fazer isso.

Podemos executar o Contêiner iterativamente, forçando sua remoção ao sair.
Isso pode ser feito para obter um help das opções:

docker run --rm -i -t HUB-USER-NAME/jessie-wordpress

Quando não especificamos um nome para o contêiner o docker cria um nome arbitrário.

Podemos executar iterativamente, como mostrado abaixo, mantendo o contêiner
nomeado web_wp com o Wordpress e o WP-CLI instalados e configurados.

docker run -i -t --name web_wp -p 80:80 -p 2285:22 parana/jessie-wordpress

Você poderá verificar que ele permanece na lista de contêineres no seu host.

docker ps -a

Caso você pare (docker stop web_wp) o contêiner, também poderá
iniciar novamente a qualquer momento usando o comando :

docker start  web_wp

Podemos verificar o LOG assim:

docker logs  web_wp

Veremos as mensagens indicando que na primeira vez o WP_CLI é instalado
e nas outras vezes apenas usado para ecoar as informações.

A nível de Banco de Dados MySQL são feitas as seguintes configurações iniciais
no contêiner por padrão:

  • Criação de usuário root com senha randômica
  • Remoção do database test
  • Criação de database my-db
  • Criação de usuário wp com senha secret
  • Grant de privilégios ao usuário wp no database my-db
  • Criação de tabela para CRUDClass para teste de conexão ao database
  • Inserção de registros 'João', 'Pedro' e 'Maria' para teste de SQL

Executando o Wordpress

Este projeto cria um site usando BASE_URL dockerhost.local,
título: Título do SITE, usuário: admin, senha: minhasenha e
e-mail de admin informado pela variável de ambiente WP_EMAIL_ADDR

Assim, para facilitar os testes crie uma entrada no /etc/hosts do seu
computador host para dockerhost.local apontando da seguinte forma:

  • MAC OSX ou Windows : endereço obtido da execução de boot2docker ip
  • Linux : localhost

Podemos executar o conêiner iterativamente numa seção de teste passando um
diretório como Volume com o comando abaixo:

docker run --rm -i -t --name web_wp           \
       -p 80:80 -p 2285:22                    \
       -e ROOT_PASSWORD=xyz                   \
       -e WP_EMAIL_ADDR=joao.parana@gmail.com \
       -v ./test/site:/var/www/html           \
       HUB-USER-NAME/jessie-wordpress start-wordpress

A opção --rm remove o contêiner ao final de sua execução. Esta opção serve
durante o processo de desenvolvimento do contêiner pelo mantenedor.
Ela também serve para execução de testes unitários num workflow de
integração contínua, por exemplo.

A variável de ambiente WP_EMAIL_ADDR precisa ser informada apenas na
primeira vez quando será feita a configuração do site Wordpress.

Preferencialmente devemos executar no modo Daemon assim:

docker run -d --name web_wp                   \
       -p 80:80 -p 2285:22                    \
       -e ROOT_PASSWORD=xyz                   \
       -e WP_EMAIL_ADDR=joao.parana@gmail.com \
       -v ./test/site:/var/www/html           \
       HUB-USER-NAME/jessie-wordpress start-wordpress

Observe o mapeamento da porta 80 do Apache dentro do contêiner
para uso externo em 80. Antes verifique se a porta 80 já está ocupada
no seu computador host, pois isso causaria erro de rede.

A porta 22 do SSH foi mapeada para 2285.

Também foi definido um diretório no host para ser montado
em /var/www/html

Desta forma os Desenvolvedores poderão modificar os programas
no computador Host usando as ferramentas visuais adequadas
(IDE, Browser, etc) pois as mudanças refletem imediatamente no
Contêiner e são vistas pelo runtime do Apache e do PHP.

Verificando o Log

docker logs web_wp

Para ver apenas a password do usuário root que foi definida para
uso via SSH use o comando abaixo:

docker logs web_wp 2> /dev/null | grep  "senha de root"

Usando o SSH

Podemos então abrir uma sessão SSH com o contêiner. No caso de
usar o Docker num Host com MAC OSX podemos fazer:

ssh -p 2285 root@$(docker-ip)

docker-ip é uma função criada no .bash_profile por conveniência.
Veja o fonte abaixo:

docker-ip() {
  boot2docker ip 2> /dev/null
}

Para abrir uma sessão SSH com o contêiner quando
usar o Docker num Host Linux, Ubuntu por exemplo,
podemos fazer:

ssh -p 2285 root@localhost

Para testar a conexão com o Banco de Dados podemos usar:

docker exec web_wp php /var/www/html/testecli.php

Após executar o sistema por um tempo, podemos parar o contêiner
novamente para manutenção

docker stop web_wp

e depois iniciá-lo novamente e observar o log

docker start web_wp && sleep 10 && docker logs web_wp

Observe que o LOG é acumulativo e que agora não é executado o
processo de Inicialização do Database, criação de usuários no MySQL,
criação do nosso database, ajustes do PHP.INI, do HTTPD.CONF, etc.

Você poderá ver o conteúdo do diretório /tmp executando o comando abaixo:

docker exec web_wp ls -lat /tmp

Se você estiver usando o MAC OSX com Boot2Docker
poderá executar o comando abaixo para abrir uma sessão como
root no MySQL:

open http://$(docker-ip):80 

No Linux (Ubuntu por exemplo) use assim:

open http://localhost:80

A senha do MySQL para ser usada no programa PHP
está Hard-coded no arquivo run.sh, mas apenas
por motivos didáticos.

Veja a variável MYSQL_ROOT_PASSWORD na shell run.sh

Opções quando executar o Contêiner

As opções de parâmetro para o ENTRYPOINT são:
--help # opção padrão, quando não informada
/bin/bash # para investigação e fazer debug do contêiner
start-wordpress # workflow normal de desenvolvimento

Diretórios importantes:

Conteúdo Wordpress - /var/www/html/wp-content
PHP.INI            - /usr/local/etc/php e /usr/local/etc/php/conf.d
Extensões PHP      - /usr/src/php/ext
Logs do Apache     - /var/log/apache2
Logs do MySQL      - /var/log/mysql
Logs do PHP        - /var/log  (configurado em config/php.ini)

Exemplo de uso do comando docker exec para ver o Log do MySQL

docker exec web_wp cat /var/log/mysql/error.log

Da mesma forma, para verificar a configuração do PHP use:

docker exec web_wp cat /usr/local/etc/php/php.ini

Mais detalhes sobre Docker no meu Blog: http://joao-parana.com.br/blog/

Resolução de Problemas

Migrando o Site

Uma descrição completa de como funciona o processo de migração de site
no Wordpress pode ser encontrada neste link:
Changing the site URL

Se você tiver problema para acessar este link veja o PDF gerado e disponível
aqui no meu github

Alterando WP_HOME e WP_SITEURL no arquivo wp-config.php

Podemos resumir assim:

Quando você encontra um problema durante a migração de um site de um
endereço URL para outro, você pode usar uma sessão SSH e editar o wp-config.php
adicionando/alterando as linhas abaixo:

define('WP_HOME','http://yourdomainname.com.br');
define('WP_SITEURL','http://yourdomainname.com.br');

Alterando RELOCATE no arquivo wp-config.php

Outra alternativa é alterar o valor de RELOCATE para true no wp-config.php

define('RELOCATE', true);

e em seguida usar a URL: http://yourdomainname.com.br/wp-login.php para
entrar no Site como Admin. Em seguida navegue para Settings > General e
verifique as URLs para a HOME e para SITEURL. Salve as configurações
e mude novamente o valor de RELOCATE no arquivo wp-config.php, mas
agora para false.

define('RELOCATE', false);

Observação: Quando o flag RELOCATE fica com true, o Site URL será atualizado
automaticamente pelo caminho que estivermos usando para acessar a tela de login.
Isto deixa a a seção de administração rodando na nova URL, permitindo
que façamos as alterações necessárias que devem ser salvas para o site voltar
a funcionar plenamente.

Usando WP_CLI

Mais uma alternativa, agora usando WP_CLI

Como o nosso site de desenvolvimento está em dockerhost.local devemos fazer o seguinte:

wp search-replace 'dockerhost.local' 'yourdomainname.com.br' --skip-columns=guid

Se desejarmos apenas mudar o valor de option podemos fazer o seguinte:

wp option update home 'http://yourdomainname.com.br'
wp option update siteurl 'http://yourdomainname.com.br'

ou, se desejar usar HTTPS:

wp option update home 'https://yourdomainname.com.br'
wp option update siteurl 'https://yourdomainname.com.br'

Configuração de SMTP

https://wordpress.org/plugins/hectane/

Docker Pull Command
Owner
parana
Source Repository

Comments (0)